PDA

Ver Versão Completa : XT 660R "Valentino Rossi” ( Mais um pouco sobre nossas XT, reportagem 2008 )



Arnilton
08/11/2009, 06:10 PM
A Yamaha XT 660R é uma moto robusta e de muita força que os colunistas e pilotos Gisele Flores e Jaime Nazário testaram ao longo de vários dias e mais de 1000 quilômetros rodados, nas mais diferentes condições de uso.

Para realizar este moto teste, tivemos a colaboração da Motoryama, concessionária Yamaha de Porto Alegre, que, por intermédio de seu Diretor, Rogério Schröder, gentilmente nos cedeu uma unidade que havia sido especialmente customizada com o esquema de cores amarelo e preto consagrado pelo hepta campeão de motovelocidade, “Valentino Rossi”.

http://sobremotos.solupress.com/sobremotos/news/article_images/article_image1087.jpg

Ao primeiro olhar, o que mais chama a atenção em uma Yamaha XT 660R é o seu porte imponente e agressivo visual. Com a destacada cor amarela do grafismo “Valentino Rossi”, a moto ficou parecendo maior ainda e, em cada lugar que passava ou parava, chamava muita atenção, desviando olhares curiosos que procuravam identificar mais detalhes da moto.

Aliado ao grafismo de bom gosto, uma análise mais nítida vai perceber que o acabamento da Yamaha nesta moto praticamente não tem reprimendas para serem feitas. Os cromados, as partes plásticas bem pintadas e finalizadas, os encaixes perfeitos e os materiais empregados, sensivelmente percebidos como sendo de boa qualidade, denotam que se trata de um produto de nível superior, comentário pertinente quando vemos adentraram em nosso mercado uma onda de produtos chineses que nem de perto seguem tamanho rigorismo com a finalização.

O display no painel é de cristal líquido, multifuncional. Com uma rápida olhada é possível identificar todas as informações necessárias para a navegação, como velocidade, hodômetro total ou parcial. Também estão disponíveis dados sobre temperatura e estado do motor, piscas, combustível na reserva, luz alta, ponto morto e luz-espia para indicar a ativação do sistema de imobilização. Este último é um dos atrativos: ao tirar a chave da ignição, o sistema entra em ação, bloqueia a partida e só é desativado quando a chave é novamente introduzida.

http://sobremotos.solupress.com/sobremotos/news/article_images/article_image1092.jpg

Motor Revela o "DNA" da XT 660R

Passadas as primeiras impressões visuais, ao ligar o motor, se revela a verdadeira alma desta moto, seu motor. O propulsor de 660cc da Yamaha, designado por XT, sendo “X” para indicar tratar-se de um quatro tempos e “T” para indicar ser um monocilíndrico, é quem praticamente imprime o “DNA” desta moto. Apenas pelo ruído que se propaga de seus dois escapamentos (é um 1x2), que passam por baixo do motor e se erguem rente ao banco e quase embutidos ao longo do paralamas traseiro, já se percebe estar frente a uma moto de força. Se fossemos comparar a XT 660R com um automóvel, fazendo uma figura de linguagem para melhor ilustrar o que se deseja expressar, ela seria uma grande pick-up (full size), tal como uma Dodge Ram ou uma Ford F-250, grande, imponente, de motor robusto, de muita força e que, também, provê bom desempenho. Não é a toa que, pelo fabricante, ela é classificada como uma “big trail”, ou seja, uma moto de “grande” porte (apesar de 660cc ser uma cilindrada mediana) destinada para uso misto, em estradas com asfalto, ou não.

O motor monocilíndrico com arrefecimento líquido, equipado com um sistema de injeção eletrônica, é capaz de gerar 5,95 kgf.m de torque a 5.250 rpm e atingir a potência máxima de 48 cv a 6.000 rpm. O cabeçote da XT 660R é equipado com quatro válvulas, o cilindro tem revestimento cerâmico e o pistão é forjado. Considerando a relação curta de marchas com a qual ela está equipada e os 165 quilos (peso seco) que possui, nas primeiras marchas é muito fácil empinar a roda dianteira sem nenhum esforço físico, apenas fechando o punho. Em baixas rotações, a XT 660R sempre quer dar um “pulo à frente” na hora de arrancar e, também, retomar velocidade é uma tarefa muito fácil, pois quase que independente da marcha que estiver engatada, ela aceita, com um pouquinho de ronco é claro, retomar velocidade com bastante rapidez. Aceleração parece ser o sobrenome da XT 660R. No uso urbano estas qualidades fazem com que ela compense muito bem o seu tamanho, revelando-se ágil e rápida, bem como é necessário. Em situações de aceleração e desaceleração é que seus duas ponteiras de escapamento não produzem um ruído dos mais emocionantes, lembrando, em alguns casos, um grande motor de “popa”, mas nada que a comprometa.

Há de se ter um cuidado especial por se tratar de uma monocilíndrica, as reduções. Como a XT 660R tem bom torque em baixa rotação, desacelerações bruscas funcionam quase como um freio motor. Além disso, uma redução exige que o giro seja levantado previamente, pois uma redução “direta” fatalmente fará o pneu traseiro dar uma “travada”, o que pode ser perigoso, especialmente em dias de chuva e pavimentos escorregadios.

http://sobremotos.solupress.com/sobremotos/news/article_images/article_image1094.jpg

Quase não há Obstáculos para a XT 660R

No fora de estrada então ela dá um show. Quase não há obstáculo capaz de deter a XT 660R, pois além da força e aceleração garantidas pelo motor, quando mais se faz necessário, as variações de nível, inclinações e depressões são compensadas pela ação eficaz da suspensão dianteira Paioli com 225 mm de curso e suspensão a traseira, que é do tipo Monocross, com um curso de 200 mm, ainda oferece cinco posições de ajuste de pressão na mola.

Por estes e outros motivos é que a reputação da XT 660R foi bem construída. As versões anteriores a 2008 tiveram excelente performance no Rally Internacional dos Sertões, na categoria “Brasil Open”, onde conquistaram dois campeonatos.

Mas, um pequeno inconveniente, o piloto não pode ter estatura muito baixa. Com altura do assento ao solo de 865mm, pilotos com menos de 1,75 metro terão alguma dificuldade para subir na moto e se apoiar no chão uma vez em cima dela.

Para viagens em estradas asfaltadas a XT 660R oferece muito conforto, tanto para o piloto quanto para a garupa. Bancos largos e bem estofados, aliados a suspensão bem adaptativa, fornecem maciez ao andar. O desempenho em altas rotações não é tão impressionante como em baixas, mas, mesmo assim, a moto é capaz de alcançar velocidades finais próximas de 180 Km/h. O consumo anotado nestes mais de 1000 quilômetros de teste rodados, entre cidade, campo e estrada, ficou em 20,8 Km/l, uma média razoável, que pode ser melhorada com a adoção de velocidades de cruzeiro não superiores a 130 Km/h, proporcionando uma autonomia de mais de 300 quilômetros, dado que o tanque de combustível possui capacidade de 15 litros (incluindo reserva).

Boa para todos os gostos

Por todas estas características, a XT 660R consegue atrair motociclistas de todas idades, estilos e cilindradas, fazendo com que, no mercado nacional, a XT 660R praticamente não tenha concorrentes diretos.

Os modelos 2008 são comercializados nas cores azul e preto, sendo que, na cor preta, a bolha do anteparo dianteiro é de cor cinza e o assento bicolor em cinza e preto, enquanto na versão azul a bolha é azul e o assento nas cores preta e azul.

A Yamaha XT 660R 2008 é vendida, em Porto Alegre, na Motoryama, que fica na Av. Farrapos, 3946, por R$ 27.300,00 (frete incluso). A versão “Valentino Rossi” amarela e preta que foi testada não é de série e deve ser tratada direto com o Diretor da empresa, Rogério Schröder.

http://sobremotos.solupress.com/sobremotos/news/article_images/article_image1095.jpg


Especificações Técnicas

Comprimento total 2.240 mm
Largura total 845 mm
Altura total 1.230 mm
Altura do assento 865 mm
Distância entre eixos 1.505 mm
Altura mínima do solo 210 mm
Peso seco 165 Kg
Motor 4 tempos, SOHC, refrigeração líquida, 4 válvulas
Quantidade de cilindros 1 cilindro
Cilindrada usual 660 cc
Diâmetro x curso 100,0 x 84,0 mm
Taxa de compressão 10,0:1
Potência máxima 48 cv a 6.000 rpm
Torque máximo 5,95 kgf.m a 5.250 RPM
Sistema de partida Elétrica
Capacidade do óleo do motor 2,90 litro
Capacidade do tanque de combustível (reserva) 15 litros
Alimentação Injeção Eletrônica
Sistema de ignição ECU
Bateria 12 V x 8 Ah, selada
Transmissão primária Engrenagens
Transmissão secundária Corrente
Embreagem Multidisco banhado a óleo
Câmbio 5 velocidades, engrenamento constante
Quadro Diamond
Pneu dianteiro 90/90-21 M/C 54 S
Pneu traseiro 130/80-17 M/C 65 S
Freio dianteiro Disco tipo flutuante de 298 mm de diâmetro, acionamento hidráulico.
Freio traseiro Disco de 245 mm de diâmetro, acionamento hidráulico.
Suspensão dianteira Garfo telescópico, mola e óleo.
Suspensão traseira Braço oscilante, monocross
Curso da suspensão dianteira 225 mm
Curso da suspensão traseira 200 mm
Painel de Instrumentos Velocímetro, hodômetro total, hodômetro parcial e relógio. Indicador de: sistema de imobilização, temperatura do motor, nível de combustível baixo, farol alto, pisca, pisca alerta, neutro.


http://sobremotos.solupress.com/sobremotos/news/article.asp?articleid=355

Pacheco Polizel
05/01/2010, 05:42 PM
meu nem li tudo é muita coisa ;D

essa xt amarela é show ! é importada ? alguém já viu rodando por ai ?

Talarico
05/01/2010, 06:30 PM
Eu ja vi uma no tunel do hospital das clinicas!!

Abraço Talarico..!!

guitorres
05/01/2010, 07:53 PM
Pela cor forte parece que mudaram os plásticos. Se foi customizada, foi pintada e/ou adesivada.
Achei lindona. Muito linda mesmo!
Quando eu era moleque as motos trail/cross da Yamaha tinham essa cor/grafismo. Se não me engano eram as YS.
Fora que, é uma excelente maneira de "trocar" de moto de vez quando. ;D
Uma boa era saber aonde vende esse kit-retrô, né não?
Abraço,
GT

ezo67
06/01/2010, 11:14 PM
show de bola!

guitorres
15/01/2010, 07:58 PM
Fala, Galera,

bateu um tédio aqui e desmontei o meu Bieffe todo. Parte por parte. Resolvi que vou pinta-lo aqui em casa, Vi vários tutoriais e me pareceu simples até. Nessas navegadas em busca de dicas de pintura vi que existe uma linha da Colorgin para pintura de plástico que não requer aplicação de primer (base). A tinta tem solvente na fórmula. Você usa lixa 600 seca e depois usa lixa d´água para tirar possíveis arranhões.

Aqui no Rio tem 2 caras bons: O Renatinho (http://www.renatinho.com) e o Magoo (http://www.magoomotos.com.br/). Os 2 são profissionais e usam a pistola ao invés de Colorgin, claro. Olha o que encontrei no site do Magoo:

A tal XT Amarela!

http://www.magoomotos.com.br/personalizadas/XT600/XT-20.jpg

http://www.magoomotos.com.br/personalizadas/XT600/XT-24.jpg

http://www.magoomotos.com.br/personalizadas/XT600/XT-23.jpg

Se der certo a pintura do Bieffe eu posto aqui o resultado, se não rolar eu finjo que nunca pintei! :D

Abração!